9 pontos da reforma trabalhista que o empreendedor deve saber

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

No dia 13 de julho de 2017 foi sancionada pelo presidente Michel Temer, a reforma trabalhista que altera substancialmente a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) vigente. A reforma trabalhista entrará em vigor 120 dias após a data da sanção presidencial, ou seja, em 11 de novembro de 2017.

Como foram muitas as alterações da reforma trabalhista, faremos um resumo com 18 pontos que poderão impactar o empreendedor brasileiro, elencando as principais mudanças que envolvem e interessam às startups, micro, pequenas e médias empresas.

 

Neste primeiro informativo, destacamos 09 pontos dessa reforma, confira:

  1. Fim da necessidade de homologação da rescisão e demissão de empregado com mais de 1 ano;

A regra antiga obrigava a homologação no sindicato do trabalhador para contratos de trabalho com mais de 1 ano de vigência.

Com a reforma trabalhista a homologação poderá ser feita na empresa, na presença dos advogados do empregador e funcionário, sendo que, caso o empregado queira, poderá ter a assistência do Sindicato.

  1. Fim da contribuição sindical anual obrigatória;

A contribuição sindical era obrigatória para o trabalhador, feita uma vez ao ano ou parcelada por meio de desconto direto no salário equivalente a um dia de trabalho.

Com a reforma trabalhista a contribuição passa a ser opcional.

  1. Revogação do intervalo de 15 min para jornadas superiores ao horário normal de trabalho;

A CLT obrigava o empregador a fornecer 15 minutos de descanso antes do início das horas extras.

Com a reforma trabalhista, não há mais tal obrigatoriedade.

  1. Intervalo para descanso em jornadas maiores que 6 horas reduzidos e se não concedido, será devido apenas a parte suprimida com acréscimo de 50%;

O intervalo para descanso antes de no mínimo 1 hora, poderá ser reduzido para no mínimo 30 minutos, através de acordo coletivo ou convenção coletiva. Caso não seja concedido o intervalo o empregador deverá pagar o tempo suprimido mais acréscimo de 50% do valor do tempo.

Vale destacar que esse pagamento passou a ser verba indenizatória e não mais salarial, o que significa dizer que não é contabilizado nos chamados reflexos, quais sejam, férias, décimo terceiro, etc.

  1. Prevalência do acordo coletivo sobre a convenção coletiva (mesmo que menos favorável);

Os acordos coletivos e convenções coletivas antes da reforma só poderiam estabelecer condições de trabalho diferentes da legislação se conferissem ao trabalhador uma melhora nas condições.

Com a aprovação da reforma trabalhista, a obrigatoriedade de melhoria para condições de trabalho diferentes da legislação foi retirada.

Significa dizer que, os sindicatos e as empresas poderão negociar  condições de trabalho diferentes do que dispõem a legislação, mesmo que haja redução ou aumento de jornada ou até redução de salários. O único requisito é a inclusão de proteção dos empregados contra demissão durante a vigência do acordo.

Há ainda a possibilidade de acordos individuais para empregados com instrução de nível superior e salário mensal igual ou superior a duas vezes o limite máximo dos benefícios do INSS, pouco mais de R$ 11.000,62, atualmente.

  1. Gravidez;

A legislação atual  proíbe o trabalho de mulheres grávidas ou lactantes em lugares com condições insalubres e não há limite de tempo para avisar a empresa sobre a gravidez, causando insegurança jurídica.

A nova legislação da reforma trabalhista permite o trabalho de mulheres grávidas em ambientes considerados insalubres, desde que a empresa apresente atestado médico que garanta que não há risco ao bebê nem à mãe no trabalho em que exerça.

Mulheres dispensadas do emprego têm até 30 dias para informar à empresa sobre a gravidez.

  1. Conceito de trabalho intermitente e sua regulamentação;

Não havia qualquer tratamento da atual CLT para esse tipo de trabalho, já a nova legislação da reforma trabalhista, há a regulamentação desse tipo de contratação.

Trata-se de trabalho sem habitualidade, ou seja, não há dias fixos para o trabalhador, este é chamado de acordo com a demanda da empresa. O trabalhador poderá ser pago por período de trabalho, recebendo pelas horas ou pelo dia trabalhado, terá direito a férias, FGTS, previdência e décimo terceiro proporcionais.

O contrato deve estabelecer o valor da hora, que não pode ser inferior ao valor da hora do salário mínimo ou à remuneração dos demais empregados que exerçam a mesma função, o empregado deverá ser convocado com no mínimo três dias corridos de antecedência e no período de inatividade está livre para prestar serviço a outros contratantes.

Trata-se de opção que se encaixa perfeitamente com a evolução do mercado de trabalho, principalmente para as startups, micros e pequenas empresas que iniciam com recursos enxutos e nem sempre tem demanda diária e fixa para um determinado funcionário.

  1. Conceito do Tele Trabalho ou Home Office;

Outro tipo de trabalho não regulamentado pela atual CLT e que foi objeto de regulamentação na reforma.

O contrato de trabalho nessa modalidade deve ser expresso e regulamentar todos os detalhes. A legislação define o horário de trabalho como “livre ao trabalhador” e não dá direito a hora extra, ou seja, o trabalhador não ganha hora extra e nem possui adicional noturno, mas também não tem controle de hora.

O reembolso para utilização de equipamentos particulares, luz, água etc., deve ser previsto também em contrato.

Quanto à segurança no trabalho, a nova legislação da reforma trabalhista obriga o empregador a orientar ostensivamente o trabalhador, ficando o trabalhador responsável pela sua saúde durante o trabalho.

Importante lembrar que o fato do trabalhador estar em regime de home office não o impede de frequentar reuniões na sede da empresa.

Trata-se de outra modalidade de trabalho que se encaixa perfeitamente com a evolução do mercado de trabalho, principalmente para as startups, micros e pequenas empresas que iniciam com recursos enxutos e nem sempre têm demanda diária e fixa para um determinado funcionário.

  1. Fim das horas in itinere;

Horas in itinere é o tempo de deslocamento no transporte oferecido pela empresa para o ir e vir do trabalho do empregado em algumas situações.

A nova legislação, da reforma trabalhista, não contabiliza mais esse tempo na jornada de trabalho do trabalhador, em nenhuma situação.

 

No próximo informativo, destacaremos mais 9 pontos da reforma trabalhista que são de interesse dos empreendedores. Se inscreva em nosso informativo para não perder!

Fique atento às novidades do mundo jurídico e conte sempre conosco.

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Leia também

Como sua Startup pode abrir uma empresa no exterior

No processo de abertura e crescimento de uma Startup, expandir os limites territoriais, por meio da constituição de uma empresa no exterior, pode ser uma boa ideia. Então vem conhecer mais sobre a famosa offshore!

9. Propriedade Intelectual e Industrial

Não é autorizada a utilização das Marcas e de qualquer propriedade intelectual e/ou industrial do L&O pelos USUÁRIOS do SITE sem a prévia e expressa autorização e aprovação do L&O, ficando resguardados todos os direitos acerca destas.

Ao acessar o SITE, você concorda que respeitará a existência e a extensão dos direitos de Propriedade Intelectual do L&O, bem como de todos os direitos de terceiros que sejam usados, a qualquer título, no SITE, ou que venham a ser disponibilizados de outras formas.

O acesso ao SITE não lhe dá direito ou prerrogativa ao uso de qualquer Propriedade Intelectual, Marca ou outro conteúdo nele inserido.

Se você violar as proibições contidas na legislação pátria vigente sobre propriedade intelectual e/ou neste Contrato, você poderá ter a sua Conta de Acesso bloqueada ou excluída definitivamente, se tiver uma, além de ser responsabilizado, civil e criminalmente, pelas infrações cometidas.

4. Conta de Acesso ao OFFICE

Apenas clientes do L&O, que tenham contratado plano de Assessoria Jurídica, poderão ter acesso à área restrita do SITE, denominada OFFICE. Se for o seu caso, continue a leitura. Caso contrário, pule este tópico e vá para o próximo!

Para que seja possível o acesso ao OFFICE, é indispensável a criação de uma Conta de Acesso. Esta Conta será criada pelo próprio L&O que, na oportunidade, solicitará os dados necessários a você. Você declara que as informações fornecidas são completas,
verdadeiras, atuais e precisas, sendo de sua total responsabilidade informar ao L&O
sempre que houver modificação/atualização de informação relevante.
Além disso, no momento de criação da Conta de Acesso, o L&O determinará o nome de usuário (login) e uma senha provisória para que você consiga acessar o OFFICE.

Após a criação da Conta de Acesso, o L&O enviará a você, via e-mail previamente
informado, seus dados para acesso ao OFFICE (login e senha), sendo que, para maior
proteção e segurança, você deverá alterar a sua senha no primeiro acesso.
É de sua exclusiva responsabilidade a manutenção do sigilo do nome de usuário e da
senha de acesso relativos à sua Conta de Acesso, devendo comunicar imediatamente ao L&O em caso de perda, divulgação ou roubo destes dados ou, ainda, de uso não
autorizado de sua Conta de Acesso.

Após a criação da Conta de Acesso pelo L&O e recebimento das credenciais, você
declara aceitar de forma expressa este Termo ao efetivar o seu primeiro acesso. Haverá, portanto, o consentimento expresso para a coleta, uso, armazenamento e tratamento de dados pessoais pelo L&O e/ou por terceiros contratados pelo escritório para finalidades legítimas e diretamente atreladas ao SITE e ao próprio L&O.

O L&O poderá recusar, suspender ou cancelar a Conta de Acesso de um USUÁRIO sem prévio aviso sempre que suspeitar que as informações fornecidas são falsas,
incompletas, desatualizadas ou imprecisas, com a finalização da relação entre L&O e o USUÁRIO Cliente ou ainda nos casos indicados nas leis e regulamentos vigentes
aplicáveis, nesse documento, mesmo que anteriormente aceito.

Cancelamento da Conta de Acesso ao OFFICE

A sua Conta de Acesso ao OFFICE será encerrada a partir do momento em que a sua relação com o L&O chegar ao fim – e ficaremos bem tristes se isso ocorrer – estando ativa apenas enquanto estiver vigente o Contrato de Prestação de Serviços de Assessoria Jurídica para a adequada prestação dos serviços.

É importante que você compreenda que o encerramento da Conta somente ocorrerá a partir do momento em que o L&O e você conferirem mútua quitação, isto é, a partir do momento que ambos concordarem que não há mais nada para reclamarem um do outro, não havendo qualquer pendência relativa a pagamentos, dentre outras. O encerramento será realizado pelo próprio L&O.

Entretanto, caso você pretenda eliminar definitivamente todos os seus dados do OFFICE, poderá solicitar a qualquer momento ao L&O, que analisará a melhor forma de seguir disponibilizando as informações necessárias, realizando a exclusão em seguida.