Cláusulas essenciais ao contrato

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Ao elaborar ou analisar um contrato as partes devem se atentar a cláusulas essenciais que devem estar presentes e não podem ser deixadas de lado, sob pena daquele contrato não cumprir a finalidade para a qual se destina; ou seja, se tornar inútil ao prevenir situações que podem decorrer daquela relação.

Antes mesmo da elaboração do contrato, deve-se identificar qual a situação que as partes pretendem formalizar, os interesses, as necessidades e as condições – comerciais, consumeristas, trabalhistas, cíveis etc. – inicialmente acordadas entre as partes envolvidas a fim de estabilizar as expectativas.

Após traçadas essas ideias e entendimentos iniciais, as partes devem procurar um advogado de confiança para que o mesmo possa verificar os riscos jurídicos envolvidos naquela situação e se for o caso orientar acerca de outros caminhos com riscos reduzidos ou inexistentes para que as partes possam voltar a discutir o contrato com maior segurança, ou cientes daqueles riscos e sendo interessantes para ambas as partes, tomarem as precauções que entenderem necessárias, prosseguindo para a formalização daqueles termos e condições avençados.

Vale destacar que é de extrema importância que os contratos sejam muito bem elaborados e analisados para evitar desentendimentos e consequentemente a ocorrência futura de litígios extrajudiciais ou até mesmo judiciais decorrentes daquela contratação.

A contratação deve sempre refletir as cláusulas e condições que efetivamente foram acordadas entre as partes, sem deixar qualquer condição acordada sem a devida formalização por escrito no contrato.

Assim, podemos destacar na estrutura do contrato algumas cláusulas e condições essenciais para sua existência, quais sejam:

  • Qualificação das partes: deve-se qualificar as partes, ou seja, descrevê-las (nome completo, nacionalidade, estado civil, profissão, CPF ou CNPJ, RG, endereço eletrônico para contato, endereço de residência/moradia ou endereço comercial…) e informar o termo pelo qual cada uma será designada ao longo do contrato (contratante/contratado, comprador/vendedor, locador/locatário…).
  • Considerações iniciais: descrever pontualmente e resumidamente os motivos e interesses envolvidos na realização do contrato, a fim de deixar clara a intenção de cada um na avença.
  • Objeto do contrato: descrever o que as partes estão contratando da forma mais detalhada possível para não gerar obrigações que inicialmente não eram de intenção das partes em se obrigar, detalhando o que está incluso ou não está incluso no pactuado.
  • Forma e condições de remuneração: determinar os valores envolvidos, forma e local de pagamento, eventuais multas e encargos por atraso no pagamento, dentre outros detalhes envolvidos na negociação.
  • Prazo de duração: descrever por quanto tempo o contrato é válido, prazos para cumprimento de eventual obrigação principal ou acessória, dentre outras minúcias.
  • Cláusula resolutiva: trata-se de cláusula essencial nos dias atuais para prever soluções em caso de descumprimento ou de cumprimento diverso da obrigação avençada contratualmente com a determinação de penalidades e/ou atitudes que poderão ser tomadas pela parte lesada, tais como aplicação de multas e pagamento de indenizações pelo infrator. Quando devidamente e expressamente elaborada pode evitar longos processos judiciais para determinar soluções que as partes já poderiam ter avençado quando da formalização do contrato.
  • Acordo de confidencialidade (non-disclosure agreement ou NDA em inglês): deve-se analisar a necessidade de confidencialidade do contrato, principalmente se for existir a troca de informações sigilosas de alguma das partes, prevendo, se for o caso, a proibição de divulgação das mesmas por um determinado período de tempo, com eventuais multas em caso de descumprimento por alguma das partes, dentre outras situações que envolvam a confidencialidade.
  • Propriedade intelectual: descrever quem será o detentor ou responsável pelos direitos de propriedade intelectual desenvolvidos ou utilizados durante a realização do contrato, além de determinar o responsável pelo pagamento de direitos autorais, royalties, despesas ou indenizações, dentre outras situações.
  • Direitos e deveres: determinar os direitos e deveres de cada parte, detalhando quais as providências que cada uma deve tomar ou deixar de tomar para a realização e êxito do contrato.
  • Condições gerais: elencar as demais condições que tenham sido acertadas entre as partes, eventual inexistência de vínculo empregatício, bem como definições jurídicas.
  • Formas de extinção e rescisão contratual: determinar de acordo com a legislação aplicável as formas que serão permitidas para extinção ou rescisão contratual e as multas e eventuais indenizações aplicáveis em caso de resolução diversa ou de resilição unilateral (extinção do contrato de forma unilateral por denúncia notificada a outra parte).
  • Forma de solução de conflitos: determinar se em caso de conflitos entre as partes a resolução será através da via judicial ou de outra via alternativa (mediação ou conciliação, por exemplo).
  • Foro: determinar qual a comarca (território em que há jurisdição) competente para resolução de eventuais conflitos. Deve-se atentar às disposições legais que já impõe determinado local, não podendo ser escolhido outro, diverso daquele.

Essas são algumas das cláusulas essenciais que devem ser consideradas e discutidas inicialmente entre as partes, entretanto, o caso concreto a ser formalizado deve ser melhor analisado para a possível inclusão e/ou exclusão de cláusulas.

Após formalizado o contrato o que valerá entre as partes é aquela situação descrita e avençada pelas partes diante das testemunhas, sendo altamente recomendável que as partes tenham a devida orientação jurídica para entender completamente o que fora avençado, a fim de se evitar futuras discussões.

Fique atento aos seus direitos e conte conosco!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Leia também

9. Propriedade Intelectual e Industrial

Não é autorizada a utilização das Marcas e de qualquer propriedade intelectual e/ou industrial do L&O pelos USUÁRIOS do SITE sem a prévia e expressa autorização e aprovação do L&O, ficando resguardados todos os direitos acerca destas.

Ao acessar o SITE, você concorda que respeitará a existência e a extensão dos direitos de Propriedade Intelectual do L&O, bem como de todos os direitos de terceiros que sejam usados, a qualquer título, no SITE, ou que venham a ser disponibilizados de outras formas.

O acesso ao SITE não lhe dá direito ou prerrogativa ao uso de qualquer Propriedade Intelectual, Marca ou outro conteúdo nele inserido.

Se você violar as proibições contidas na legislação pátria vigente sobre propriedade intelectual e/ou neste Contrato, você poderá ter a sua Conta de Acesso bloqueada ou excluída definitivamente, se tiver uma, além de ser responsabilizado, civil e criminalmente, pelas infrações cometidas.

4. Conta de Acesso ao OFFICE

Apenas clientes do L&O, que tenham contratado plano de Assessoria Jurídica, poderão ter acesso à área restrita do SITE, denominada OFFICE. Se for o seu caso, continue a leitura. Caso contrário, pule este tópico e vá para o próximo!

Para que seja possível o acesso ao OFFICE, é indispensável a criação de uma Conta de Acesso. Esta Conta será criada pelo próprio L&O que, na oportunidade, solicitará os dados necessários a você. Você declara que as informações fornecidas são completas,
verdadeiras, atuais e precisas, sendo de sua total responsabilidade informar ao L&O
sempre que houver modificação/atualização de informação relevante.
Além disso, no momento de criação da Conta de Acesso, o L&O determinará o nome de usuário (login) e uma senha provisória para que você consiga acessar o OFFICE.

Após a criação da Conta de Acesso, o L&O enviará a você, via e-mail previamente
informado, seus dados para acesso ao OFFICE (login e senha), sendo que, para maior
proteção e segurança, você deverá alterar a sua senha no primeiro acesso.
É de sua exclusiva responsabilidade a manutenção do sigilo do nome de usuário e da
senha de acesso relativos à sua Conta de Acesso, devendo comunicar imediatamente ao L&O em caso de perda, divulgação ou roubo destes dados ou, ainda, de uso não
autorizado de sua Conta de Acesso.

Após a criação da Conta de Acesso pelo L&O e recebimento das credenciais, você
declara aceitar de forma expressa este Termo ao efetivar o seu primeiro acesso. Haverá, portanto, o consentimento expresso para a coleta, uso, armazenamento e tratamento de dados pessoais pelo L&O e/ou por terceiros contratados pelo escritório para finalidades legítimas e diretamente atreladas ao SITE e ao próprio L&O.

O L&O poderá recusar, suspender ou cancelar a Conta de Acesso de um USUÁRIO sem prévio aviso sempre que suspeitar que as informações fornecidas são falsas,
incompletas, desatualizadas ou imprecisas, com a finalização da relação entre L&O e o USUÁRIO Cliente ou ainda nos casos indicados nas leis e regulamentos vigentes
aplicáveis, nesse documento, mesmo que anteriormente aceito.

Cancelamento da Conta de Acesso ao OFFICE

A sua Conta de Acesso ao OFFICE será encerrada a partir do momento em que a sua relação com o L&O chegar ao fim – e ficaremos bem tristes se isso ocorrer – estando ativa apenas enquanto estiver vigente o Contrato de Prestação de Serviços de Assessoria Jurídica para a adequada prestação dos serviços.

É importante que você compreenda que o encerramento da Conta somente ocorrerá a partir do momento em que o L&O e você conferirem mútua quitação, isto é, a partir do momento que ambos concordarem que não há mais nada para reclamarem um do outro, não havendo qualquer pendência relativa a pagamentos, dentre outras. O encerramento será realizado pelo próprio L&O.

Entretanto, caso você pretenda eliminar definitivamente todos os seus dados do OFFICE, poderá solicitar a qualquer momento ao L&O, que analisará a melhor forma de seguir disponibilizando as informações necessárias, realizando a exclusão em seguida.