Tributação sobre o licenciamento de software: mais um desafio descomplicado!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Entender como é feita a tributação e qual imposto é devido em cada situação nunca foi uma tarefa fácil, mas, da mesma forma, empreender também não é, sendo ambos os ambientes cercados de desafios prontos para serem desvendados e, principalmente, descomplicados

Assim, não pense que a tributação é apenas mais uma dor de cabeça inerente ao processo de inovação, típico do contexto do empreendedorismo, pois os tribunais estão atentos e evoluindo, dentro do possível, conforme as novas práticas do mercado tecnológico.

E como a tributação não é uma temática que pode ser ignorada ou tratada  sem o devido cuidado pelos empreendedores do Brasil e, mais importante, como é uma matéria que pode sim ser descomplicada, o L&O se propôs – como sempre – a simplificar mais um dos desafios enfrentados pelo empreendedor.

Então, bora lá conferir qual tributo vai incidir sobre o seu software?

Como era feita a tributação sobre o licenciamento de softwares: uma análise prática.

Bem, inicialmente, a tributação sobre o licenciamento ou cessão do direito de uso de softwares era feita com base em entendimentos do judiciário (Recurso Extraordinário 176626/SP julgado pelo Supremo Tribunal Federal e Recurso Especial 633405/RS julgado pelo Supremo Tribunal de Justiça).

Até então, os Tribunais entendiam que a tributação sobre o licenciamento ou cessão de direito de uso de softwares dependeria da forma como ele seria comercializado e do objetivo ao qual ele se prestaria

Nesse sentido, quanto ao Imposto sobre Serviços (ISS), estabeleceu-se que ele deveria incidir sobre os softwares que eram desenvolvidos de forma personalizada, com o intuito de fornecer serviços conforme a necessidade de cada usuário, sendo, portanto, comercializados de modo totalmente individualizado. Eram o que o judiciário chamou de “softwares sob encomenda”.

Nesse caso, ainda, considerou-se que haveria o efetivo licenciamento ou cessão do direito de uso de um programa, ocorrendo a aquisição da sua licença de quem efetivamente o desenvolveu e detinha os direitos autorais e de propriedade intelectual para tanto.

Já na hipótese de os programas serem comercializados como verdadeiros produtos impessoais, sem distinção conforme as necessidades pontuais de cada usuário, os Tribunais entenderam pela incidência do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços (ICMS), sob o risco de se descaracterizar a natureza jurídica do instituto da compra e venda. Esses eram o chamados “softwares de prateleiras” cuja comercialização era feita de forma padronizada e em larga escala e, inclusive, por meio de mídias físicas, como verdadeiras mercadorias.

Assim, os tribunais partiram do pressuposto de que haviam dois tipos de softwares e duas maneiras de comercializá-los, para, do mesmo modo, determinar duas formas de tributação, sendo este o entendimento até então.    

Como é feita a tributação sobre o licenciamento de software, atualmente: o que o STF mudou.

O entendimento explicado no tópico anterior foi, recentemente, modificado pelo julgamento conjunto das ADIs 1.945 e 5.659 pelo Supremo Tribunal Federal (STF). A partir dessa importante decisão, foi excluída a incidência do ICMS nos casos de licenciamento ou cessão de direito de uso de softwares, passando a ser devido, então, independentemente de serem os softwares padronizados ou não, somente o ISS.

Para entender o que está por traz dessa mudança, devemos nos lembrar que, à época do antigo entendimento, a tecnologia de software ainda era incipiente, sendo possível distinguir os programas enquanto bens físicos (CD, pendrive, disquete…) da sua forma intangível (software propriamente dito).

No entanto, com o desenvolvimento tecnológico, a comercialização de softwares em sua forma física, hoje, é praticamente inexistente.

Inegável, portanto, a importância de se atualizar o ordenamento jurídico brasileiro para abarcar as novas relações e fatos juridicamente relevantes, que estão sendo modificados com o avanço da tecnologia. Nesse sentido, inclusive, a Lei 116/03 acertadamente cita na Lista de Serviços sujeitos à incidência do ISS o “licenciamento ou cessão de direito de uso de programas de computação”, o que apenas reforça a pertinência da atualização do entendimento do judiciário quanto a questão.

Qual a principal mudança que o empreendedor deve se atentar?

A principal mudança advinda da alteração da matéria tributária, tratada aqui de forma simplificada, diz respeito ao ente competente, ou seja, o responsável por cobrar imposto sob o licenciamento de softwares.

Isso porque, os Estados não possuem mais a capacidade de cobrar tributos sobre este tipo de modelo de negócios, não ocorrendo mais, portanto, a cobrança do ICMS. A saber, o ente federativo competente para tributar o licenciamento de software e recolher tributos passou a ser o município – ou o Distrito Federal – em que seu estabelecimento prestador estiver localizado, já que o tributo devido é o ISS e o seu fato gerador é a prestação de serviços.

Portanto, fique atento para quem você está pagando ou deixando de pagar o imposto sobre seu software!!

E o que você, empreendedor, pode fazer para reduzir seus riscos tributários?

Bem, felizmente isso é bem simples. =)

Com as constantes mudanças da nossa sociedade, o sistema tributário também está sujeito a alterações, sendo que a tributação de softwares é apenas um dos temas controversos do nosso ordenamento. Por isso, a melhor proteção é a prevenção!    

Não deixe de procurar o apoio de uma equipe jurídica especializada, que poderá descomplicar o seu caminho para empreender! Menos tempo se afligindo quanto às questões tributárias, significa mais tempo investindo no seu core business!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Leia também

9. Propriedade Intelectual e Industrial

Não é autorizada a utilização das Marcas e de qualquer propriedade intelectual e/ou industrial do L&O pelos USUÁRIOS do SITE sem a prévia e expressa autorização e aprovação do L&O, ficando resguardados todos os direitos acerca destas.

Ao acessar o SITE, você concorda que respeitará a existência e a extensão dos direitos de Propriedade Intelectual do L&O, bem como de todos os direitos de terceiros que sejam usados, a qualquer título, no SITE, ou que venham a ser disponibilizados de outras formas.

O acesso ao SITE não lhe dá direito ou prerrogativa ao uso de qualquer Propriedade Intelectual, Marca ou outro conteúdo nele inserido.

Se você violar as proibições contidas na legislação pátria vigente sobre propriedade intelectual e/ou neste Contrato, você poderá ter a sua Conta de Acesso bloqueada ou excluída definitivamente, se tiver uma, além de ser responsabilizado, civil e criminalmente, pelas infrações cometidas.

4. Conta de Acesso ao OFFICE

Apenas clientes do L&O, que tenham contratado plano de Assessoria Jurídica, poderão ter acesso à área restrita do SITE, denominada OFFICE. Se for o seu caso, continue a leitura. Caso contrário, pule este tópico e vá para o próximo!

Para que seja possível o acesso ao OFFICE, é indispensável a criação de uma Conta de Acesso. Esta Conta será criada pelo próprio L&O que, na oportunidade, solicitará os dados necessários a você. Você declara que as informações fornecidas são completas,
verdadeiras, atuais e precisas, sendo de sua total responsabilidade informar ao L&O
sempre que houver modificação/atualização de informação relevante.
Além disso, no momento de criação da Conta de Acesso, o L&O determinará o nome de usuário (login) e uma senha provisória para que você consiga acessar o OFFICE.

Após a criação da Conta de Acesso, o L&O enviará a você, via e-mail previamente
informado, seus dados para acesso ao OFFICE (login e senha), sendo que, para maior
proteção e segurança, você deverá alterar a sua senha no primeiro acesso.
É de sua exclusiva responsabilidade a manutenção do sigilo do nome de usuário e da
senha de acesso relativos à sua Conta de Acesso, devendo comunicar imediatamente ao L&O em caso de perda, divulgação ou roubo destes dados ou, ainda, de uso não
autorizado de sua Conta de Acesso.

Após a criação da Conta de Acesso pelo L&O e recebimento das credenciais, você
declara aceitar de forma expressa este Termo ao efetivar o seu primeiro acesso. Haverá, portanto, o consentimento expresso para a coleta, uso, armazenamento e tratamento de dados pessoais pelo L&O e/ou por terceiros contratados pelo escritório para finalidades legítimas e diretamente atreladas ao SITE e ao próprio L&O.

O L&O poderá recusar, suspender ou cancelar a Conta de Acesso de um USUÁRIO sem prévio aviso sempre que suspeitar que as informações fornecidas são falsas,
incompletas, desatualizadas ou imprecisas, com a finalização da relação entre L&O e o USUÁRIO Cliente ou ainda nos casos indicados nas leis e regulamentos vigentes
aplicáveis, nesse documento, mesmo que anteriormente aceito.

Cancelamento da Conta de Acesso ao OFFICE

A sua Conta de Acesso ao OFFICE será encerrada a partir do momento em que a sua relação com o L&O chegar ao fim – e ficaremos bem tristes se isso ocorrer – estando ativa apenas enquanto estiver vigente o Contrato de Prestação de Serviços de Assessoria Jurídica para a adequada prestação dos serviços.

É importante que você compreenda que o encerramento da Conta somente ocorrerá a partir do momento em que o L&O e você conferirem mútua quitação, isto é, a partir do momento que ambos concordarem que não há mais nada para reclamarem um do outro, não havendo qualquer pendência relativa a pagamentos, dentre outras. O encerramento será realizado pelo próprio L&O.

Entretanto, caso você pretenda eliminar definitivamente todos os seus dados do OFFICE, poderá solicitar a qualquer momento ao L&O, que analisará a melhor forma de seguir disponibilizando as informações necessárias, realizando a exclusão em seguida.